sevenbet -O ex-ministro do Meio Ambiente e atual deputado federal Ricardo Salles (PL-SP) se tornou réu por sup

Ricardo Salles se tornsevenbet -a réu em ação sobre contrabando de madeira

O ex-ministro do Meio Ambiente e atual deputado federal Ricardo Salles (PL-SP) se tornou réu por supostamente participar de um esquema de “facilitação ao contrabando de produtos florestais” e exportação de madeira ilegal,éuemaçãsevenbet - de acordo com denúncia do Ministério Público Federal (MPF) recebida pela 4ª Vara Federal/Criminal do Pará, nesta segunda-feira (28). 

Continua após publicidade

Na denúncia, o MPF aponta os crimes de facilitação de prática de contrabando ou descaminho, obstrução da ação fiscalizadora do Poder Público em questões ambientais e participação ou promoção de organização criminosa. O então ministro teria permitido “a representação de interesses privados em detrimento do interesse público”. 

:: Ricardo Salles e presidente do Ibama são alvos de operação da PF ::

Os produtos de origem brasileira foram encontrados nos Estados Unidos, sem a documentação mínima para exportação. O transporte só teria sido possível graças à ajuda de dois servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Eles teriam legalizado de forma retroativa cinco contêineres de madeira que haviam chegado aos países compradores sem autorização do órgão. 

Os funcionários públicos, segundo o MPF, emitiram certidões e um ofício sem valor jurídico a fim de liberar a madeira que havia sido apreendida para a exportação. O documento, no entanto, não foi aceito ao entrar nos Estados Unidos “em razão da evidente ilegalidade”. 

:: Alvo de madeireiros ilegais, povo indígena Guajajara é o que mais sofre violência no Maranhão ::

De acordo com o documento, a liberação teria ocorrido após uma reunião, em fevereiro de 2020, entre Ricardo Salles e representantes do setor madeireiro envolvidos no suposto esquema. Depois do encontro, teria sido feito um atendimento "quase que imediato" em relação às demandas das empresas, com parecer técnico “legalizando, inclusive com efeito retroativo, milhares de cargas expedidas ilegalmente entre os anos de 2019 e 2020”. 

“A mais alta cúpula do Ministério do Meio Ambiente e a alta direção do Ibama manipularam pareceres normativos e editaram documentos para, em prejuízo do interesse público primário, beneficiar um conjunto de empresas madeireiras e empresas de exportação que tiveram cargas de madeira apreendidas nos Estados Unidos”, diz a denúncia do MPF. 

Além de Ricardo Salles, outras 21 pessoas foram denunciadas pelos mesmos crimes de corrupção passiva, crimes contra a flora e organização criminosa.  

Nas redes sociais, Salles disse que está certo da “seriedade e imparcialidade do Judiciário demonstrarão a falácia ali contida”. “Procuradores apresentaram denúncia das madeiras contra mim e os coronéis da PM que trabalhavam comigo (alguma surpresa!?!), contrariando, inclusive, conclusões do próprio delegado do caso. Veremos”, disse ainda. 

Edição: Vivian Virissimo


Relacionadas

  • Fora de roteiro da diligência da CPI do MST, Salles e Zucco tentam intimidar indígenas Pataxó na BA

  • Zucco e Salles incentivam conflito entre mãe e filho, além de ignorar atentado contra MST no sul da Bahia

  • Por que o ex-ministro Ricardo Salles era considerado ameaça mundial ao meio ambiente

Outras notícias

  • Moraes nega pedido de devolução de passaporte a Bolsonaro pela segunda vez

  • Bolsonaro pode sofrer consequências jurídicas se incitar violência ou golpe em ato do dia 25

  • Ex-presidente Jair Bolsonaro se cala em depoimento à Polícia Federal

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:

Fale Conosco

Todo o conteúdo de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato pode ser reproduzido, desde que não seja alterado e que os devidos créditos sejam dados.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap