bbrbet -Em ato político organizado pelo Distrito Drag, drag queens ocuparam áreas da região central de Brasí

Ditadura nuncbbrbet -a mais- Drag queens em ato

Em ato político organizado pelo Distrito Drag,bbrbet - drag queens ocuparam áreas da região central de Brasília nesta sexta-feira (31) para relembrar as violações de direitos humanos perpetradas durante a ditadura militar, denunciando o teor LGBTfóbico do regime antidemocrático iniciado há 59 anos. Por meio de performances musicais, as artistas, com apoio do público, reforçaram: “ditadura nunca mais!”.


Continua após publicidade

“Foi muito emocionante ver as pessoas que estavam ali, por exemplo, na rodoviária se conectando com a performance drag, em que nós trouxemos diversas músicas que marcaram e que fazem parte do legado de uma geração que lutou contra a ditadura militar. Foi muito forte e potente essa conexão com o público”, conta a drag queen, ativista do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Ruth Venceremos.



“Foi muito forte e potente essa conexão com o público”, conta a drag queen / Matheus Alves


As drag queens interpretaram canções que embalaram a resistência contra a opressão militar e expressam o desejo de liberdade, como “Cálice”, de Chico Buarque, “Como Nossos Pais”, de Belchior e “Que País É Este”, da Legião Urbana.


O ato partiu do Setor Comercial em direção à Rodoviária do Plano Piloto. Estavam presentes as artistas Linda Brondi, Ruth Venceremos, Náguila GoldStar, K-Halla, Madison Parker, Pérola Negra, Donna Karão e Victor Baliane.


Subversão, perseguição e resistência


Segundo Ruth Venceremos, a luta contra o esquecimento dos crimes cometidos pelo governo militar é essencial.


“Para nós como comunidade LGBTQIA+, é fundamental rememorar o que foi a ditadura militar, para que a gente possa olhar para o passado e perceber que muitos da nossa comunidade foram perseguidos e torturados. Os nossos corpos foram alvo permanentemente de violência do regime militar”, afirma.


A ditadura militar produziu aparelhos de repressão contra o “perigo vermelho”, mas que também exerciam controle moral sobre os corpos subversivos. Por isso, pessoas com comportamentos sexuais considerados desviantes da moral e dos bons costumes, como homossexuais, travestis e prostitutas, eram alvos preferenciais de detenções arbitrárias, censura, demissão de cargos políticos e outras violações.



Subversão, perseguição e resistência marcaram a comunidade LGBTQIA+ durante regime militar / Matheus Alves


Em resposta à perseguição sofrida durante o regime militar, a comunidade LGBTQIA+ começou a se organizar em movimentos de resistência. Foi o momento em que o movimento LGBT organizado brasileiro, apesar de todas as violências diárias, deu seus primeiros passos.


Mesmo com avanços e direitos conquistados, Ruth Venceremos destaca que a mobilização pela resistência contra a LGBTfobia, no país que mais mata pessoas trans do mundo, precisa ser permanente.


“Nós precisamos continuar num processo cultural e educativo permanente, educando e formando essa geração, e as gerações que estão por vir, no sentido do compromisso com a pauta dos direitos humanos. Por isso, esse ato de hoje foi muito potente. Ver a galera aplaudindo e gritando junto com a gente ‘ditadura nunca mais’ foi uma das cenas mais lindas que eu vivi nesses últimos anos”, relata a drag queen.


Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato DF no seu Whatsapp


Fonte: BdF Distrito Federal


Edição: Flávia Quirino





BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap