today777 -O Superior Tribunal de Justiça (STJ) acolheu um recurso do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-

STJ aumenta pena today777 -de policiais militares condenados

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) acolheu um recurso do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ),today777 - em julgamento na última terça-feira (22), e decidiu aumentar a pena de oito policiais militares condenados pelos crimes de tortura seguida de morte e ocultação de cadáver do pedreiro Amarildo Dias de Souza.

De acordo com a denúncia, o episódio, ocorrido em 2013 na comunidade da Rocinha, no Rio de Janeiro, teria contado com a participação de 25 policiais – alguns deles foram expulsos da corporação. Dezessete foram absolvidos.

Leia mais: “Cadê o Amarildo?”: desaparecimento de pedreiro segue sem respostas

Por unanimidade, ao atender parcialmente a um recurso do MP estadual, o colegiado considerou como circunstâncias que autorizam o aumento das penas a repercussão internacional dos crimes e o fato de que o corpo não foi recuperado mais de dez anos após o sumiço do pedreiro.

A pena mais alta, entre os oito réus, ficou em 16 anos, três meses e seis dias de reclusão.

"O caso do desaparecimento de Amarildo de Souza se tornou notório em decorrência da gravidade concreta do fato, que configurou um emblemático episódio de violência policial contra integrante da população preta e periférica do Rio de Janeiro, a provocar abalos sociais não apenas na comunidade local como também no país e na comunidade internacional", afirmou o relator, ministro Rogério Schietti Cruz.

:: RJ: 10 anos depois, policiais condenados no caso Amarildo ainda atuam na corporação ::

No mesmo julgamento, a turma não aceitou o recurso em que a defesa alegava supostas ilegalidades no inquérito, falhas na prova testemunhal e incompetência do juízo criminal do Rio de Janeiro, entre outras questões.

Relembre o caso

De acordo com o processo, um grupo de policiais torturou Amarildo na comunidade da Rocinha para, supostamente, tentar obter informações sobre o armazenamento de armas e drogas na região. As lesões provocadas pelos agentes teriam causado a morte do pedreiro.

Segundo o MPRJ, os policiais ocultaram o corpo da vítima e adulteraram o local do crime, forjando uma versão de que Amarildo teria sido sequestrado e morto por traficantes.

Leia também: Moradores de comunidades afetadas por violência de Estado sofrem mais risco de adoecimento

Em seu voto, Rogério Schietti afirmou que, diferentemente do que entendeu o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), não há como atribuir a repercussão internacional do caso Amarildo apenas ao contexto da época – marcado por grandes manifestações políticas e repressão policial –, o qual teria influenciado a cobertura da imprensa.

Para o relator, a repercussão internacional do desaparecimento foi decorrente da gravidade do fato e do exemplo claro de violência policial contra uma pessoa pobre moradora da periferia.

Ainda segundo o ministro, o TJRJ chegou a considerar que o desaparecimento do cadáver do pedreiro por tanto tempo justificaria a elevação das penas aplicadas aos policiais, porém a corte estadual não confirmou o aumento da pena-base em razão desse fundamento.  

Leia mais: Caso Amarildo é símbolo do abuso de autoridade e da violência policial e expôs a falência das UPPs

"Ainda que o crime de ocultação de cadáver seja de natureza permanente, a ausência de recuperação do corpo não constitui elementar típica e autoriza o aumento da sanção. O fato de o corpo da vítima, dez anos depois do crime, ainda não haver sido encontrado, de modo a impedir que seus familiares o sepultem, é circunstância mais gravosa do delito", apontou o relator.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Eduardo Miranda


Relacionadas

  • RJ: Dez anos depois, policiais condenados no caso Amarildo ainda atuam na corporação

  • Assassinato do pedreiro Amarildo por PMs completa 9 anos sem indenização a familiares

  • “Cadê o Amarildo?”: desaparecimento de pedreiro completará seis anos sem respostas

Outras notícias

  • STJ anula todas as decisões da justiça do RJ contra Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas

  • STF mantém Daniel Silveira em prisão domiciliar; deputado vira réu com base na LSN

  • STF determina que processos de Lula sejam remetidos à Justiça Federal de Brasília

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap