onlinecasinoonline -Manifestações de rua, atividades culturais, rodas de conversa e até mesmo um acampamento marcaram o

MG- Mulheres onlinecasinoonline -nas ruas pela democracia

Manifestações de rua,onlinecasinoonline - atividades culturais, rodas de conversa e até mesmo um acampamento marcaram o Dia Internacional de Luta das Mulheres em Minas Gerais. Na capital, manifestantes marcharam pelas ruas do centro da cidade, na luta contra a fome e a violência, reivindicando democracia e bem viver.

Continua após publicidade

O protesto em Belo Horizonte, que reuniu 3 mil pessoas, teve batucada feminista, intervenções visuais, poesias e palavras de ordem em defesa da vida das mulheres. Na avaliação de Sônia Mara Maranho, uma das organizadoras da manifestação, o sentido expresso na marcha foi de esperança.

"Fazia seis anos que nossas manifestações eram de resistência, diante do golpe e do avanço do fascismo no Brasil. Então, foi um ato com a perspectiva de que, no próximo período, com o esforço da defesa da democracia e da reconstrução do país, as mulheres tenham políticas voltadas para o reconhecimento de seus direitos, que historicamente foram violados", comenta Sônia, que também é dirigente do Movimento dos Atingidos Por Barragens (MAB).


Ato do 8 de março em BH / Foto: Izabella Bontempo

Durante a caminhada, que saiu da Praça da Liberdade rumo à Praça Sete, 500 mulheres do Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), de todas as regiões de Minas, se somaram.

No período da manhã, antes do início da manifestação, as sem-terra já tinham realizado uma ação de doação de alimentos e plantio de árvores, no Aglomerado da Serra, maior favela de Minas, que fica em Belo Horizonte. Desde a terça-feira (7), as mulheres do movimento construíram o Acampamento Pedagógico, em frente à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

"Nosso objetivo é fortalecer a unidade das mulheres, construindo ações de formação, de cultura e de diálogo com a sociedade, apresentando o nosso projeto de reforma agrária popular", explica Michele Capuchinho, da direção do MST.

:: Receba notícias de Minas Gerais no seu Whatsapp. Clique aqui ::

Ações em outros municípios

Além de Belo Horizonte, outros municípios do estado também tiveram atividades com protagonismo feminino, no dia 8 de março. Em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, as mulheres se concentraram no Parque Halfeld e, durante a marcha, espalharam música, cores e cartazes pela cidade.

"É uma data que, historicamente, coesiona as mulheres do mundo todo em torno de pautas em comum e de um projeto de emancipação das mulheres. Nós demonstramos nosso projeto de sociedade com arte e cultura", explica Esther Maria, do Movimento Brasil Popular.

Em Ouro Verde de Minas, no Vale do Mucuri, uma roda de conversa no Quilombo São Julião debateu a situação das mulheres na região. Betim, Viçosa, Lavras, São João Del Rei, Pirapora, Teófilo Otoni, Uberlândia e outras cidades também tiveram atividades. 


Ação em Ouro Verde de Minas / Foto: Márcio Kumaira

No Norte de Minas, em Montes Claros, a programação vai até o dia 29, com acampamentos, seminários, acolhimento psicológico e rodas de conversa.

Para Andréa Cangussu, Secretária Estadual de Mulheres do Partido dos Trabalhadores, o balanço dos atos em terras mineiras é positivo. Ela enfatiza que, após um longo período de ataques e derrotas, é revigorante ver que as mulheres não perderam a capacidade de lutar em unidade e de serem propositivas.

"Passamos por um governo genocida que só queria a morte das mulheres e retirada de todos os direitos e garantias que tínhamos conquistado, ao longo de décadas. Vimos no 8 de Março as mulheres unificadas, dando vida ao sentimento de reconstrução do país", aponta.

Luta contra Zema

Uma das pautas que apareceram com maior ênfase nas manifestações em Minas foi a denúncia da política econômica aplicada pelo governador do estado, Romeu Zema (Novo). Para as manifestantes, as medidas tomadas pelo governo estadual contribuem para a precarização da vida das mulheres.

"Se nacionalmente estamos em um quadro de avanço, após a superação do fascismo nas urnas, Zema em Minas representa a continuidade de um governo ultraliberal, que impacta diretamente em categorias femininas, como as educadoras e enfermeiras. Ele implementa uma precarização generalizada do trabalho, de ataque ao funcionalismo público e ao meio ambiente, que atinge principalmente as mulheres", explica Esther.

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Larissa Costa


Relacionadas

  • Casa de acolhimento faz ação contra violência doméstica em BH

  • Mulheres do MST acampam em BH e doam alimentos para famílias da maior favela do estado

  • Cozinheiras de BH são homenageadas em vídeo neste 8 de março: “guardiãs da cozinha ancestral”

Outras notícias

  • &39;Questão do racismo tem a ver com a sobrevivência do capitalismo&39;, diz Diva Moreira, intelectual negra de MG

  • &39;Dançar em público junto com outras mulheres é uma ação política forte e contundente&39;

  • 8M em PE: após pressão, movimentos feministas são recebidos por Raquel Lyra

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap