casinointernet -O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que a discussão sobre alterações no Imposto de Renda

Eleicoes Municipaiscasinointernet -- Impedimentos para Debater Alteracoes

O ministro da Fazenda,casinointernet - Fernando Haddad, afirmou que a discussão sobre alterações no Imposto de Renda (IR) pode não ocorrer neste ano, devido às eleições municipais. Em entrevista exclusiva ao jornal O Globo, Haddad disse que a reforma tributária, aprovada em 2023, foi priorizada pois entra em vigor já em 2026.

Continua após publicidade

Ao jornal carioca, Haddad defendeu mudanças no IR, destacando que a carga tributária sobre o consumo, no Brasil, é muito maior que a aplicada sobre a renda e o patrimônio – o que sobrecarrega as pessoas mais pobres.

"Do meu ponto de vista, essa reforma [do IR] deve viabilizar a redução da carga sobre o consumo, o que permitiria uma alíquota de IVA [Imposto sobre o Valor Agregado] menor. Tributa mais a renda, diminui o peso sobre o consumo, e o efeito fica neutro sobre a carga tributária total. Tudo com transição para que não seja de um ano para o outro, seja diluído no tempo", apontou.

Haddad disse que as prioridades do governo junto ao Congresso em 2024 passam pela regulamentação da reforma tributária sobre o consumo aprovada em 2023, acompanhamento de medidas para cumprimento do arcabouço fiscal e uma busca pela redução da volatilidade do dólar.

O ministro foi consultado, também, sobre o cumprimento da meta fiscal, algo que tem gerado embates em discursos com outros membros do governo, incluindo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

"Estamos tomando medidas para cumprir a meta. Agora, mexemos pela primeira vez com muitas leis e há projeções de receita que demandam tempo para se medir os efeitos. O arcabouço [fiscal] vai ser cumprido como planejado", afirmou.

Haddad falou ainda sobre a relação do governo com o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, indicado ao cargo pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Com a autonomia do BC, aprovada durante o governo do hoje inelegível, Lula não pode interferir no mandato. Entretanto, segundo Haddad, a relação entre eles tem caminhado bem.

"Minha relação com o Roberto [Campos Neto] sempre foi profissional. A do Lula, assisti ao primeiro encontro, em dezembro de 2022, e não foi um bom encontro, mas não quero entrar em detalhes. Já o segundo foi muito bom. A relação institucional da Fazenda com o BC nunca teve problemas. E a do Planalto passou a não ter", garantiu.

Sucessão de Lula

Ao O Globo, Haddad disse ainda que "existe consenso" sobre a candidatura de Lula à reeleição em 2026. Candidato derrotado por Bolsonaro em 2018, quando Lula estava preso, Haddad disse que não pensa atualmente na possibilidade de ser o sucessor, mas avalia que o partido deveria debater sobre o tema.

"O Lula foi três vezes presidente. Provavelmente, será uma quarta. Ao mesmo tempo que é um trunfo ter uma figura política dessa estatura por 50 anos à disposição do PT, também é um desafio muito grande pensar o day after [expressão em inglês para "dia seguinte"]. Eu não participo das reuniões internas sobre isso. Mas, excluído 2026, o fato é que a questão vai se colocar. E penso que deveria haver uma certa preocupação com isso. Porque a natureza da liderança do Lula é diferente da de outros fenômenos eleitorais. O bolsonarismo tem uma dinâmica muito diferente", apontou.

Edição: Thalita Pires


Relacionadas

  • Haddad critica Zema e diz que governo Lula quer encontrar solução para dívida de Minas

  • Haddad insiste em déficit fiscal zero e diz que planeja novas medidas para arrecadar

  • Mestre em economia e gestor experiente: as credenciais de Haddad para o Ministério da Fazenda

BdF

  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap